18/05/2021

Como o exame de Ressonância Magnética Multiparamétrica pode identificar patologias no fígado.

Tradicionalmente, a Ressonância Magnética (RM) é utilizada para a avaliação de lesões hepáticas focais, como tumores, a partir do uso dos meios de contraste endovenosos extracelulares ou hepatoespecíficos. Novos avanços na RM permitem o diagnóstico de patologias antes indetectáveis por técnicas convencionais.
A RM Multiparamétrica com ênfase no fígado é atualmente um componente central na caixa de ferramentas diagnósticas da hepatologia, pois, permite a quantificação da deposição de gordura e ferro no parênquima hepático, bem como estadia de uma forma global e com maior precisão o grau de fibrose.
Doença hepática gordurosa não alcoólica, que é um espectro que varia da esteatose pura à esteato-hepatite não alcoólica e cirrose, é uma das principais causas de doença hepática crônica. Por ser uma doença muito prevalente, pode ser detectada com frequência em exames de rotina. A RM Multiparamétrica é uma técnica acurada para determinação do grau de esteatose, podendo ser usada tanto na detecção quanto na avaliação de resposta ao tratamento.
O acúmulo de ferro no parênquima hepático pode ser originado de um distúrbio genético que promove o aumento da absorção de ferro, ou secundário, quando se refere a doenças crônicas ou a múltiplas transfusões sanguíneas. A distribuição do acúmulo de ferro difere entre essas duas formas; portanto, elas podem ser distinguidas usando métodos de imagem na maioria dos casos. Ressonância Magnética é a modalidade de imagem mais sensível e específica para o diagnóstico, possibilitando a quantificação da concentração de ferro intracelular hepático e identificando o acometimento de outros órgãos (baço, pâncreas e coração).
Elastografia por Ressonância Magnética (ERM) é uma tecnologia em rápido desenvolvimento para avaliar quantitativamente as propriedades mecânicas do tecido. Esse método tem por objetivo mensurar a rigidez dos tecidos do corpo através da propagação de ondas mecânicas, detectando de forma acurada e precoce processos patológicos hepáticos, como inflamação (hepatite) e cirrose.
No âmbito da prática clínica geral, a RM Multiparamétrica hepática é um método de imagem robusto com uma alta taxa de sucesso em um amplo espectro de pacientes. Por ser um método amplamente disponível e não invasivo, os parâmetros da RM Multiparamétrica hepática serão os principais biomarcadores para doença hepática crônica em um futuro próximo.

Dr. George Lemos
CRM 20046 | RQE 15478
Radiologista Clínica Imagem

Compartilhe no Facebook Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Twitter
Newsletter
Newsletter

Assine nossa newsletter

Assine a nossa newsletter para promoções especiais e atualizações interessantes.