16/08/2021

Ressonância Magnética Cardíaca na COVID-19

A COVID-19 é uma pandemia global que continua a causar significativa mortalidade e morbidade no mundo inteiro.

Embora a maioria dos casos sejam leves, uma minoria de pacientes desenvolve um quadro de Síndrome Respiratória aguda grave, sendo esta a principal causa de óbito. Mas a infecção pelo Coronavírus pode também envolver múltiplos órgãos, entre eles o coração.

Estudos preliminares têm demonstrado o acometimento cardíaco na COVID-19 de diversas formas, seja por inflamação direta pelo vírus, Miocardite, ou por inflamação sistêmica exacerbada do organismo (citocinas inflamatórias), ou mesmo por isquemia, levando ao infarto. Isto é especialmente relevante naquelas pessoas com os já conhecidos fatores de risco (doença cardíaca prévia, diabetes, hipertensão, obesidade, idoso).

Exemplo de paciente com Miocardite pós COVID 19 onde a Ressonância Magnética evidencia inflamação ativa através das técnicas novas de MAPA T1 e MAPA T2 e pelo Realce tardio (LGE).

Exames laboratoriais nesta fase, como a dosagem de troponina, têm sido utilizados para identificar algum grau de injuria do músculo cardíaco.

Além disso, após esta fase aguda, muitos pacientes persistem com sintomas de cansaço e fadiga, o que tem sido chamado de Síndrome pós Covid-19, e que pode ter origem cardíaca e necessitam investigação.

Atualmente com o exame de Ressonância Magnética Cardíaca, através de técnicas novas recentemente validadas como a MAPA T1, MAPA T2 e a já consagrada técnica do Realce Tardio, é possível identificar com acurácia todas as alterações cardíacas que podem ocorrer com a COVID-19, seja na fase aguda ou na fase crônica, muitas vezes não identificada com outros métodos diagnósticos.

Estas técnicas só estão presentes nas máquinas de última geração, já disponíveis na Clínica Imagem, tendo sido incorporado na rotina do exame de Ressonância Cardíaca e utilizadas nesta pandemia, ajudando no diagnóstico do comprometimento cardíaco em inúmeros pacientes.

Apesar das inovações no diagnóstico e no tratamento da infecção pelo Coronavírus 2 (SARS-COV2), ressaltamos que o mais importante são as medidas de prevenção como o distanciamento social, uso de máscaras, lavagem frequente das mãos com agua e sabão ou álcool 70% e a vacinação.

Cuide-se, cuide de quem ama e faça a sua parte!

por Dr. Evandro de Campos Albino
CRM-5478 – RQE 3297

Compartilhe no Facebook Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Twitter
Newsletter
Newsletter

Assine nossa newsletter

Assine a nossa newsletter para promoções especiais e atualizações interessantes.


    Política de privacidade